UPDATE DA EMPRESA
Marcopolo: multinacional em má fase

Código: POMO4
Data Base: 10/03/17
Preço da ação PN: R$ 2,55 Número de ações: 920,25 MM

Ibovespa: 64675
US$ 1,00: R$ 3,14

Valorização em 2017: -6,9%
Último Resultado: Ano de 2016

Setor: Veículos e Peças
Produtos/Serviços Principais: Carrocerias para ônibus.

Apesar de crescer a 5,7% aa durante mais de duas décadas, a receita da Marcopolo, fortemente impactada pela recessão, caiu 50% nos últimos 4 anos. Mesmo assim, ajudada pela venda de ações da canadense New Flyer em 2016, a empresa tem conseguido evitar prejuízos.

Com suas características cíclicas, identificamos a Marcopolo como veículo (!) interessante para aproveitar da recuperação da economia brasileira. Adotando um cenário relativamente conservador estimamos um preço intrínseco de R$ 3,86, representando margem de segurança de 51% sobre o preço atual de mercado.

No entanto, o nível de incerteza associado com a estimativa é alto: temos pouca ideia tanto do timing quanto da duração ou da intensidade da recuperação da empresa. Sua dependência parcial de outros mercados emergentes em dificuldades também não ajuda.

Com essas restrições recomendamos a compra das ações da empresa com horizonte de 3-5 anos.

Introdução

Precificada abaixo do nível histórico

À procura de empresas, pressionadas pela recessão, com ações precificadas bem abaixo de seu nível histórico, encontramos a Marcopolo bem colocada em nossa lista das 100MAIS. Logo percebemos que seu posicionamento estava incorreto porque o bom resultado de 2016 não é recorrente, devendo-se, principalmente, à venda de parte do investimento na canadense New Flyer. De qualquer forma o preço/patrimônio da ação está, neste momento, quase 40% abaixo de sua média dos últimos 12 anos.

Melhora em margem e retorno

Analisamos a Marcopolo pela última vez em 27/10/04 concluindo que a empresa não estava conseguindo converter seu bom crescimento de receita em compatível expansão de lucro. Uma década depois há sinais que a situação melhorou: comparação entre as médias dos períodos 2005-2016 e 1995-2003 mostra boa melhora na margem líquida e retorno sobre patrimônio líquido.

Mercado externo recebe de mais de 70% da produção

Nos esquecemos da importância para a Marcopolo do mercado externo, destino em 2016 mais de 70% da produção do grupo. Operações em 6 continentes, além de credenciar a empresa como "multinacional", representam importante diversificação. Elas também complicam a análise da empresa!

Forte retração do mercado

Mesmo assim a queda no preço do papel da Marcopolo não é fortuita. A forte retração de seus mercados nos últimos dois anos obrigou a empresa a fechar sua fábrica no Rio de Janeiro, reduzir a jornada de trabalho em suas unidades no sul e, aparentemente, a se desfazer de parte de seu investimento na New Flyer.

Mas, apostando que haverá uma retomada de demanda por ônibus nos próximos semestres, resolvemos reanalisar a empresa.

Tabela de Dados


                                  (milhoes de dolares ajustados)                            
                                                                                            
Ano             2005  2006  2007  2008  2009  2010  2011  2012  2013  2014  2015  2016  2017P
============================================================================================
PIB Real*        3.1   4.0   6.0   5.0  -0.2   7.6   3.9   1.8   2.7   0.1  -3.8  -3.6     -
============================================================================================
Onibus Vendas# 14280 13898 18098 21456 19207 27597 30766 31584 20504 17973 11170  9212     -
ME/MT% #          49    38    36    38    39    40    39    46    21    22    36    52     -
--------------------------------------------------------------------------------------------
Receita Liq.     812   808   941  1057   822  1119  1190  1277  1154  1007   733   649     -
Lucro Liquido     38    56    58    57    55   112   121    99    91    66    23    55    24
Pat.Liquido      223   250   263   287   291   363   412   435   478   488   489   463   463
No.Acoes MM      112   224   224   223   224   446   446   447   893   890   891   920   920
--------------------------------------------------------------------------------------------
Lucro/P.Liq. %  17.1  22.3  21.9  19.7  18.8  30.8  29.4  22.8  19.0  13.5   4.8  11.9   5.2
Preco/Lucro x    8.1  11.0  12.4   5.2  11.0  10.5   9.2  19.5  15.8  13.6  19.0  11.5  24.4
Preco/P.Liq. %   138   246   270   103   207   324   271   444   300   183    90   137   128
Margem Liq. %    4.7   6.9   6.1   5.4   6.6  10.0  10.2   7.8   7.9   6.5   3.2   8.5     -
Yield (Divi/Preco)  %                                5.1   2.5   1,4   2.0   2.3   4.7   1.7
Payout (Divi/Lucro) %                               46.7  48.3  21.4  27.0  44.0  54.0  42.3
Lucro/Cap.Invest. %      -     -     -     -     -  19.4  14.1  11.2   7.8   2.9   8.2     -
Liquidez Corrente x      -     -     -     -   2.1   1.7   1.5   2.4   2.6   1.9   1.8     -
Div.Liq/Pat.Liq. %       -     -     -     -    66    50    62    73    70    62    46     -
--------------------------------------------------------------------------------------------
P - Projetado   * BACEN    # Somente vendas de ônibus de empresas consolidadas              
                                                                                            
Notas: Retorno/Patrimonio Liq baseado no ultimo PL disponivel (e nao, necessariamente, no PL
do inicio do ano); Preco/Lucro baseado no preco do fim do ano para periodos encerrados e no 
preco atual para periodos nao encerrados; valores ate 31/12/98 convertidos em US$ pelo      
cambio do fim do ano em questao, valores a partir de 31/12/98 convertidos pelo cambio do    
31/12/98 (US$1=R$1,21), apos reajustamento pela inflacao. Ha descontinuidade de patrimonio  
liquido e lucro a partir de 2010 devido a adocao das regras de IFRS. Somente as receitas e  
os indicadores financeiros se referem aos balancos consolidados. 

Breve História

Operações societárias a todo vapor

2005 - Iniciado o funcionamento do Banco Moneo, objetivando financiamento dos produtos do grupo

2006 - Através da controlada Ciferal celebrado joint venture com a Ruspromauto, "maior montadora russa de veículos", visando a montagem de ônibus rodoviários para o mercado russo
- Contrato firmado com a Tata Motors, maior montadora indiana de veículos, para a formação de joint venture visando atender ao mercado da Índia e a exportação
- Bonificação de ações de 100%

2007 - Aquisição de 39,59% da San Marino Ônibus e Implementos de Caxias de Sul-RS
- Adquirida participação na Metalpar da Argentina

2008 - Formada joint venture GB Buses com a GB Auto do Egito visando a montagem de ônibus já fabricados pela GB Auto e modelos a serem agregados pela Marcopolo
- Marcopolo e Marcopolo Trading firmam transferência para a Artecola Industriais Químicos de 54% das quotas do capital social da MVC – Componentes Plásticos e constituída a Poloplast Painéis e Componentes

2009 - Adquiridos mais 5% das quotas da San Marino Ônibus e Implementos, com Marcopolo passando a deter 45% do capital da empresa
- Apresentados os primeiros modelos da família de ônibus rodoviários Geração 7
- Marcopolo e Marcopolo Trading transferiram para Artecola Termoplásticos e MVC Componentes Plásticos a totalidade das quotas que detinham na Poloplast Painéis e Componentes
- Desativada a fábrica da Marcopolo Indústria de Carroçarias em Coimbra, Portugal
- Encerrada a associação mantida com a Ruspromauto, com transferência de parte dos ativos para uma empresa em fase final de constituição, controlada integralmente pela Marcopolo

2010 - Exercida opção parcial de compra da Metalpar da Argentina, aumentando a participação para 40%
- Transferidos 10% das quotas do capital da MVC - Componentes Plásticos para a Artecola Termoplásticos reduzindo participação na sociedade para 36%

2011 - Exercida opção parcial de compra da Metalpar da Argentina, aumentando sua participação para 50%
- Transferidos mais 10% das quotas do capital da MVC – Componentes Plásticos para a Artecola Termoplásticos, passando a Marcopolo a deter apenas 26% da sociedade
- Através da controlada Polo Auto Rus LLC, a Marcopolo assina acordo para a constituição de joint venture na Russia com o Grupo OJSC KAMAZ
IV – Assinado contrato para a aquisição, de forma indireta, de 75% da Volgren Australia, maior encarroçadora de ônibus da Austrália

2012 - Constituída a FCO Participações e Indústria e Comércio de Componentes, com 50% do capital subscritos pela controlada Syncroparts, e os restantes 50% pela Twice Investimentos e Participações, visando a fabricação de peças e acessórios utilizados em carrocerias
- Constituída a Volare Comércio e Distribuição de Veículos e Peças, com sede em São Paulo-SP
- Marcopolo, juntamente com sua controlada Syncroparts, constitui Volare Veículos, com sede em São Mateus-ES, destinada a montagem de veículos da linha Volare
- Através da coligada Metalpar da Argentina, adquiridos 51% da Metalsul Carrocerias, com sede na Província de Santa Fé, Argentina
- Junto com Acrilys do Brasil Laminados Plásticos constituída Apolo Soluções em Plásticos, com 65% subscritos pela Marcopolo e 35% pela Acrilys

2013 - Investimento estratégico de C$116M para subscrever 19,99% da canadense New Flyer Industries, líder na produção de ônibus urbanos no Canadá e Estados Unidos
- Bonificação de 100%
- Razão social da Ciferal mudada para a Marcopolo Rio
- Lançamento da nova geração do modelo urbano Torino

2014 - Extinta a sociedade FCO Participações e Indústria e Comércio de Componentes
- Extinta a sociedade Polo Auto Rus LLC com as ações que a Marcopolo detinham na sociedade sendo convertido em investimento indireto de 50% na empresa Kamaz Marco LLC

2016 - Execução do Projeto Conquest como foco no aumento das exportações, com visitas a 65 países
- Programas Brasil Ponta e Ponta e Negócio a Negócio (segmento Volare) visam visitas a clientes em todas as regiões do país
- Flexibilizada a jornada de trabalho nas unidades fabris de Caxias do Sul e suspendido, temporariamente, trabalho na Neobus visando minimizar efeitos da crise
- Vendidas ações representando 7,4% da participação na New Flyer
- Declarada subscrição de 4%
- Incorporada a L&M Incorporadora, controladora da San Marino Ônibus (Neobus), mediante a emissão de 12,1M ações preferenciais.

Controle e Administração

Família Bellini controla

Os maiores detentores das ações ordinárias são Bellpart Part com 44,48% (acionistas James Eduardo Bellini 41,05%, Mauro Gilberto Bellini 41,05% e Paulo Alexander Pacheco Bellini 17,90%), Viviane Maria Pinto Bado com 9,41%, Davos Part como 9,37% (acionistas James Eduardo Bellini 20,00%, Mauro Gilberto Bellini 20,00%, Paulo Alexander Pacheco Bellini 20,00%, e Viviane Maria Pinto Bado 40,00%) e Vate Part e Admin 2,95% (Therezinha Lourdes Comerlato Pinto 51,00% e Viviane Maria Pinto Bado 49,00%).

Como pode ser visto o controle está nas mãos da família Bellini que possui 50.1% das ações ordinárias.

Nova geração

Desde nossa análise de 2004 houve a chegada de uma nova geração na estrutura de controle. Ingresso na empresa logo após sua formação Paulo Pedro Bellini passou suas ações, com reserva de usufruto, para os filhos James, Mauro e Paulo. E, após seu falecimento, as ações de Valter Antonio Gomes Pinto foram herdadas por sua esposa Therezinha e filha Viviane.

Não conseguimos descobrir o destino da participação de 12,3% de José Antônio Fernandes Martins registrada em 2004!

Presidências

O presidente do conselho de administração é Paulo Cezar da Silva Nunes e o diretor presidente, após assumir em 2015, é Francisco Gomes Neto. Paulo Pedro Bellini ex-presidente executivo e ex-presidente do conselho, continua em atividade, agora como presidente emérito, título honorífico.

Grupo e Planta

Grupo grande, retorno concentrado

Em termos do patrimônio líquido ajustado, as maiores controladas em 2016, em ordem de grandeza, são Marcopolo Canadá (Canadá), Ciferal, Volare Veículos, San Marino, Banco Moneo, Polimex (México) e Ilmot (Uruguay).

A relativa importância das empresas em termos de contribuição à controladora é difícil de avaliar. Em 2016, por exemplo, o valor da equivalência patrimonial repassado pela Marcopolo Canadá, gerado principalmente pela venda de parte do investimento na New Flyer e o resultado operacional da coligada, superou o Resultado Antes do Resultado Financeiro e dos Tributos da Demonstração Consolidada da Marcopolo. Em outras palavras houve pouquíssima ou nenhuma contribuição de outros membros do grupo.

72% da produção dirigidos ao mercado externo

A Marcopolo informa que a produção de ônibus e peças é realizada em 17 plantas operadas pela controladora, por controladas, por controladas em conjunto e por coligadas. São 5 no Brasil (3 em Caxias do Sul-RS, 1 em Duque de Caxias-RJ e 1 São Mateus-ES) e 12 no exterior (África do Sul 1, Austrália 3, China 1, México 1, Argentina 2, Colômbia 1, Egito 1, Índia 2).

Mas parece que esta lista não inclui as fábricas da San Marino (Caxias-RS 1, Três Rios-RJ 1 e México 1), as fábricas da New Flyer (Canadá 1 e Estados Unidos 2), e as fábricas de insumos Apolo, Spheros e WSul. Juntas somamos 26 fábricas. Não garantimos as informações mas, partindo dos relatórios da Marcopolo, elaboramos abaixo uma lista das unidades produtoras.

Juntando exportações e produção no exterior, dados de 2016 mostram que 72% da produção total do grupo são dirigidos ao mercado externo.

26 fábricas?

MARCOPOLO - UNIDADES PRODUTORAS

Brasil (8.818 unidades produzidas em 2016)

CONTROLADORA

Caxias do Sul-RS
- Marcopolo Unidade Planalto
- Marcopolo Unidade Ana Rech

CONTROLADAS

Caxias do Sul-RS
- San Marino Neobus (participação de 100%)
- Volare (100%)
- Apolo (plásticos) (65%)

São Mateus-ES
- Volare (segunda fábrica)

Duque de Caxias-RJ
- Marcopolo Rio (ex-Ciferal) (100%)

Três Rios-RJ
- San Marino (segunda fábrica)

COLIGADAS

Caxias do Sul-RS
- Spheros (ar cond) (40%)
- WSul (espumas) (30%)

Exterior

CONTROLADAS

África do Sul
- Marcopolo South Africa - MASA (100%) (298 un)

Australia
- Volgren (75%) (471 un) (3 fábricas) (controlada pela Pologren, controlada da controlada MP Austrália!)

China
- Marcopolo Auto Components - MAC (100%)

México
- Polomex (74%) (1201 un) (controlada pela controlada Ilmot com 70,39% e coligada da Marcopolo com 3,61%)
- San Marino (100%) (controlada pela controlada San Marino)

CONTROLADAS EM CONJUNTO

Argentina
- Metalpar (50,0%) (695 un) (coligada da Loma)
- Metalsur (25,5%) (54 un) (coligada da Loma)

COLIGADAS

Canadá e Estados Unidos
- New Flyer (10,81%) (coligada da controlada MP Canadá) (300 un?) (3 fábricas)

Colômbia
- Superpolo (50%) (580 un) (coligada da controlada Ilmot com 29,39% e Marcopolo com 20,61%)

Egito
- GB Polo (49%) (340 un)

Índia
- Tata Marcopolo - TMML (49%) (4504 un) (2 fábricas)

Últimos Resultados

Ano de 2016

Faltam detalhes no consolidado

Como parte importante dos resultados da Marcopolo vem das empresas de controle conjunto e coligadas, cujas receitas e custos não são descriminados na demonstração consolidada, não é possível obter um entendimento preciso dos detalhes do desempenho da Marcopolo.

Para se ter uma ideia da importância dessas empresas analisamos os dados da produção apresentados pela Marcopolo. Estes mostram que enquanto a Marcopolo e suas controladas produziram 8.810 veículos em 2016, as empresas de controle conjunto e coligadas, considerando as participações da Marcocolo, fabricaram 6.039 unidades. (Por razões desconhecidas não está incluída neste último total a participação Marcopolo na produção da coligada indireta New Flyer - que chutamos em 300 unidades.)

Produção cai 25,5%

Esses mesmos dados mostram que enquanto a produção total do grupo sofreu uma queda de 25,5% em 2016 a produção para o mercado externo caiu somente 11,8%, contra o colapso de 46,7% verificado na produção para o mercado interno.

Sem desinvestimento resultado se aproxima do zero

De fato, a Demonstração do Resultado de 2016 não é tão difícil de resumir. Sem a contribuição da coligada indireta canadense New Flyer, seja através do resultado da venda de parte da participação, seja através de seu resultado operacional, o retorno da Marcopolo teria sido próximo de zero (ver Seção anterior).

Com relação ao desinvestimento, a explicação oferecida pela Marcopolo é que a operação "fortalece ainda mais sua competitividade no mercado de ônibus brasileiro e mundial."! Mesmo após a venda, a controlada MP Canadá continua como o maior acionista da New Flyer.

Mercados emergentes desapontam

O desempenho ruim das operações da Marcopolo no Brasil, Africa do Sul, Argentina e Egito claramente refletem as condições econômicas adversas nesses países. Mais difícil é entender os resultados fracos na Colômbia, Índia e México, situação não comentada pela Marcopolo. O quadro negro no mundo em desenvolvimento foi atenuado pelos bons resultados das operações no mundo desenvolvido, representado por Austrália e Canadá.

No fim, devido em grande parte ao resultado da venda da participação na New Flyer, houve aumento de quase 150% no lucro líquido de 2016 em comparação com o de 2015. A mesma venda ajudou a reduzir o indicador dívida líquida/patrimônio Líquido em 25%.

Análise de Múltiplos

Alerta de sempre

Como sempre, alertamos que a Tabela de Dados é sujeita a todo tipo de distorção, com destaque para os efeitos da inflação, variações cambiais e alterações no regime contábil. Aqui estamos mais interessados em tendências e ordens de grandeza do que números precisos. Para facilitar a comparação com o período anterior, usamos "dólares ajustados" (explicados em nota abaixo da Tabela) para os anos a partir de 1999, fortemente impactados pela desvalorização.

Não se deve atribuir importância excessiva à previsão de lucro para 2017, feita parcialmente por computador.

Má fase do ciclo ...

                    
                                                                                          
                                         A                 B                 C            
                                                                                          
                   Marcopolo         Marcopolo           Setor             Mercado        
         <>          Atual         Média  % Desc/    Atual  % Desc/     Atual  % Desc/    
                                  12 Anos  Prêmio            Prêmio             Prêmio    
     -----------------------      ---------------    --------------     --------------    
     Lucro/P.Liq     %   5,2      19,3      -73       7,1     -27       10,5     -50      
     Yield           %   1,7       3,0*     -43       2,3     -26        2,1     -19      
     Yield Adj       %   6,3       3,0*    +110         -       -          -       -      
     -----------------------      ---------------    --------------     --------------    
     Preço/Lucro     x  24,4      12,2     +100         -       -       16,6     +47      
     Preço/Lucro Adj x   6,6      12,2      -46         -       -          -       -      
     Preço/P.Liq     %   128       226      -43       127       0        229     -44      
     -----------------------      ---------------    --------------     --------------    
     Dív.Liq/P.Liq   %    46        60*     -23         -       -          -       -      
     -----------------------      ---------------    ---------------    --------------    
     Desconto (-)   Prêmio (+)    Setor: Veículos e Peças    * Média de 6 anos            
                                                                                          

A tabela acima confirma o atual desempenho ruim da Marcopolo, com retorno sobre patrimônio (Lucro/P.Liq) e yield previsto para 2017 bem abaixo dos indicadores tanto dos últimos 12 anos da empresa quanto do seu setor e o mercado. Observe que as médias do setor, composto de somente 5 membros, são pouco representativas.

Os descontos imensos registrados pelo retorno e yield sobre o passado da empresa e o mercado também fornecem evidência da ciclicidade da empresa.

... produz grande descontos

Mais importante, os descontos exibidos pelo preço/patrimônio líquido sobre passado e mercado, de 43% e 44%, dão uma ideia do potencial da recuperação de desempenho numa fase do ciclo de negócios favorável.

E se ajustarmos* o preço/lucro atual, para refletir a possibilidade que o bom desempenho dos últimos 12 anos se repetirá nos próximos 12 anos, obtemos um desconto sobre o preço/lucro médio de 12 anos na mesma faixa: 46%. O yield ajustado produz um prêmio de mais de 100%.

(* preço/lucro ajustado = preço/lucro atual x retorno atual/retorno médio de 12 anos = 24,4 x 5,2 / 19,3 = 6,6x)

Venda da New Flyer reduz dívida

Exame da demonstração de fluxo de caixa sugere que a forte queda na dívida líquida/patrimônio líquido é consequência do resultado obtido com a venda da participação na New Flyer.

Cálculo do Valor Intrínseco

Receita histórica cresce 5,7% aa

Estimar o crescimento histórico de uma empresa cíclica é complicado. Felizmente, um registro de 24 anos, no caso da Marcopolo, ajuda a suavizar as variações. Ao longo deste período, turbinado por melhora na margem, temos crescimento de receita de 5,7% aa. A maior dispersão do lucro dificulta o cálculo mas chutamos, após ajustes aos dados, que o crescimento do lucro seja 2-3 pontos percentuais mais alto.

Margem de segurança de 47%

Se excluirmos a contribuição da New Flyer o resultado líquido da Marcopolo em 2016 se aproxima de zero. Como precisamos de um resultado positivo inicial para a estimativa do valor justo, adotamos o ano de 2017 como ponto de partido, posteriormente descontando o valor obtido de volta a 2016.

Empregando o método Fluxo de Caixa Descontado - Modelo Dividendo, e o programa de cálculo do site MoneyChimp, simulamos estimativas do valor intrínseco da Marcopolo usando premissas alternativas. Obtemos uma margem de segurança de cerca de 50% - nosso critério normal de investimento - com o seguinte cenário de recuperação:

- Retorno sobre patrimônio de 3,5% em 2017, dando um lucro base de R$ 65MM
- Crescimento "corretivo" de lucro anual de 40% aa, atingindo cerca de 75% do retorno médio passado em 2022
- Crescimento "rápido" anual de 6% aa de 2023 a 2026
- Crescimento de 3,5% durante a fase "perpétua" a partir de 2027
- Payout de 40%
- Taxa de desconto de 6% aa

Acreditamos que essas premissas são razoavelmente conservadoras. Crescimento de 40% aa durante 5 anos pode parecer alto mas é função do baixo ponto de partida.

Dificilmente as cifras específicas do lucro base e taxas de crescimento adotadas serão verificadas na prática; a ideia é simplesmente estabelecer um cenário cujos efeitos finais se aproximarão da realidade.

Tabela de Premissas e Resultados


              
                                                             
                         Taxa de Desconto:     6,0%          
             Lucro Base (12/2016)  (R$MM):       65*         
             Taxa de Crescimento   1 ano : infinito!         
             Taxa de Crescimento   5 anos:    40,0%          
             Taxa de Crescimento   4 anos:     6,0%          
             Taxa de Crescimento Perpétuo:     3,5%          
                                   Payout:      40%          
                                                             
       Valor de Mercado da Empresa (R$MM):     2347          
       Valor Intrínseco da Empresa (R$MM):     3552          
                     Número de Ações (MM):   920,25          
                         Preço Atual (R$):     2,55          
                    Preço Intrínseco (R$):     3,86          
                      Margem de Segurança:      51%          
                                 Desconto:      34%          
                                                             
  * Como o lucro base de R$ 65MM é de 2017, o fluxo de       
  dividendos futuros estimado é descontado até 2016, a data  
  base do cálculo                                            

Discussão

Descontos conferem

Dando mais confiabilidade à análise, o cenário imaginado para a Marcopolo para a estimativa do valor intrínseco produz um desconto (34%) que é da mesma ordem de grandeza dos descontos encontrados na Análise de Múltiplos (43%-46%).

Margem compensa risco alto

Como qualquer aposta na reversão do ciclo de negócios, investimento na Marcopolo corre riscos acima do normal: temos pouca ideia tanto do timing quanto da duração ou da intensidade da recuperação da empresa. E observe que a atual fase de baixa da empresa, com 4 anos de queda de receita, é a pior dos últimos 24 anos. Isso dito, acreditamos que uma margem de segurança de 51% minimiza o risco de perda.

Conclusões e Recomendação

Apesar de crescer a 5,7% aa durante mais de duas décadas, a receita da Marcopolo, fortemente impactada pela recessão, caiu 50% nos últimos 4 anos. É uma situação nunca vista antes no último quarto de século. Mesmo assim, a empresa, ajudada pela venda de ações da canadense New Flyer em 2016, tem conseguido evitar prejuízos. Surpreendentemente a grande diversificação geográfica da empresa, com 72% de sua produção dirigida ao mercado externo, pouco amenizou o declínio.

Com suas características cíclicas, identificamos a Marcopolo como veículo (!) interessante para aproveitar da recuperação da economia brasileira. Adotando um cenário relativamente conservador estimamos um preço intrínseco de R$ 3,86, representado uma margem de segurança de 51% sobre o preço atual de mercado.

No entanto, o nível de incerteza associado à estimativa é alto: temos pouca ideia tanto do timing quanto da duração ou da intensidade da recuperação da empresa. Sua dependência parcial de outros mercados emergentes em dificuldade também não ajuda.

Com essas restrições recomendamos a compra das ações da empresa com horizonte de 3-5 anos.

Nota Importante: De acordo com nossa política de transparência, informamos que o responsável por Ação&Reação não detém, neste momento, nenhuma posição da Marcopolo.

Mande sua opinião!
E-Mail

Primeira Página